FACULDADE DO BAIXO PARNAÍBA (FAP) NO III SIMPÓSIO NACIONAL DE LETRAS PORTUGUÊS

1/10

     Realizou-se nos dias 21, 22 e 23/06 na Universidade Estadual do Piauí (UESPI), no Campus Professor Alexandre Alves de Oliveira, na cidade de Parnaíba – PI, o III SIMPÓSIO NACIONAL DE LETRAS PORTUGUÊS com o tema ESTUDOS DE LINGUAGEM: língua, literatura e ensino.

       O evento teve como objetivo promover um espaço para a reflexão e discussão acerca desses três importantes pilares do curso de Letras, às diversificadas áreas de estudo e pesquisa que abrangem. Vale ressaltar que tal temática expressa tamanho valor para o corpo discente de Letras e áreas afins, bem como para os docentes dos variados níveis de ensino por apresentar discussões sobre a língua portuguesa, compreendendo suas manifestações literárias, variantes linguísticas, leitura, escrita, ensino e pesquisa.

       A participação da FAP deu-se de maneira efetiva através da apresentação de quatro atividades:

  • A LITERATURA INFANTIL COMO DISPOSITIVO DE MEDIAÇÃO NA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA HOSPITALIZADA (e Jeciely Aguiar Da Silva – Discentes do Curso de Pedagogia – Orientação: Professora Esp.);

 

  • A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZAGEM (José de Alencar Santos de Araújo; Karina Mendes Bastos; Safyra Mara da Silva Cardoso – Discentes do curso de Letras – Orientação: Professor Ms. Marco Aurélio da Silva).

 

  • PROCESSO DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS E A CONSTRUÇÃO DE NOVOS SENTIDOS (José de Alencar Santos de Araújo; Karina Mendes Bastos; Safyra Mara da Silva Cardoso – Discentes do curso de Letras – Orientação: Professor Ms. Marco Aurélio da Silva);

 

  • SOCIOLINGUÍSTICA: O HOMEM E A LINGUAGEM EM USO (Professora Ms. Katiane Alyne de Souza Ribeiro da Silva – Docente do curso de Letras);

 

      A inquietação, o hábito de sempre estar em busca do novo, são características inerentes à natureza humana, haja vista que nos dias atuais não há espaço para o comodismo.

       À medida que o tempo passa a humanidade tem se apresentado cada vez mais inconformada com as respostas prontas que o universo lhe fornece, diante disso, esta vive sempre em busca de suas próprias respostas, pelo viés da ciência.

      Estar em contato com a pesquisa é o mesmo que dizer “Faço parte deste universo” ou “Estou em sintonia com o momento”. Nesse contexto, a FAP, há 12 anos, tem proporcionado a toda comunidade acadêmica esta vivência com o mundo da ciência, portanto, a participação desta IES no III SIMPÓSIO NACIONAL DE LETRAS PORTUGUÊS é mais uma mostra dos trabalhos que são desenvolvidos em nossa instituição.

 

COM A PALAVRA, A COMUNIDADE ACADÊMICA DA FAP

Sou Rodrigo Mesquita de Carvalho, aluno do VII período do curso de Letras da FAP.

“O evento foi muito proveitoso. Os minicursos e as oficinas com temas interessantes e muito atuais. As discussões nas mesas redondas sempre com alta qualidade e pontuações específicas nas áreas em questão, principalmente na área da pesquisa. Isso se deve muito ao nível dos convidados dos debates realizados e que contribuíram para o crescimento acadêmico de cada um que pode prestigiar aquele evento.

    Apesar de ter sido proveitoso, o evento contou com algumas falhas. A organização pecou em alguns pontos como, por exemplo, a mudança às pressas de local de algumas oficinas e minicursos para centros distantes da Universidade. Essa questão logística dificultou os participantes, sobretudo os que não eram da cidade. Outra falha que merece destaque foi a estrutura inadequada que a Universidade apresentou, mais precisamente na não disponibilização de bebedouros suficientemente proporcionais ao tamanho do evento. Sem contar que os banheiros não estavam bem cuidados.

    Fora esses contratempos, o saldo do Simpósio foi positivo. Percebeu-se que os alunos se esforçaram muito para a sua realização e que os professores se animaram para futuras edições. A participação nesse evento, aliada com o clima de uma cidade que respira estudo e pesquisas, desperta nos acadêmicos um ânimo gigante para a presença em outros eventos desse porte e dessa importância”.

Sou Safhira Cardoso, concluinte do curso de Letras

    "Criamos um bloqueio e um certo “preconceito” em aprender outras línguas por achá-las difíceis sem sequer conhece-las. No minicurso ministrado pela Profª. Luíza de Marilac, intitulado “Uma imersão no plurilinguismo: leitura e compreensão de textos em línguas românicas”, pude perceber o quanto a língua é vasta e que posso sim aprender outras línguas, basta quebrar esse preconceito e acreditar no meu potencial.

     A oficina ministrada pelo Profº. Me. Allan Andrade, intitulada “O discurso da violência na mídia escrita” foi outro momento do Simpósio de extremo aprendizado. Foi surpreendente perceber, analisar e criticar o quanto a violência, seja ela qual for, está inserida nas mídias e passam despercebidas perante nossos olhos.

     Mas o ponto alto deste evento foi ter sido agraciada com o aceite de dois trabalhos meus para serem apresentados em pôsteres. Um mundo novo que me despertou interesse e me fez querer “matar a curiosidade”. Interessante perceber que para alcançar voos maiores só depende de nós mesmos. Nunca me imaginei apresentando trabalho em evento acadêmico, muito menos em um evento de porte nacional como foi este. Não querendo me vangloriar, mas espero que essa minha atitude sirva de exemplo para os demais alunos. Confie em você e em sua capacidade! O aprendizado é enorme e a experiência excepcional!

Sou José de Alencar Santos de Araújo, aluno concluinte do curso de Letras

     "Esse evento influenciou positivamente minha visão acerca da importância de estarmos abertos a novas experiências, onde o ambiente acadêmico é favorável à proliferação de ideias que, unidas, podem criar novos conceitos e visões sobre determinado assunto. Portanto, é fundamental que estejamos dispostos a sairmos de nossa zona de conforto e partimos em busca de novos conhecimentos que influenciarão na forma de enxergarmos o mundo".

Sou Katiane Alyne Ribeiro, docente do curso de Letras da FAP.

    "Participar do III Simpósio Nacional de Letras Português foi uma experiência bastante proveitosa. Pude trocar ideias, expor inquietações em relação à linguagem com pessoas desconhecidas e de várias regiões do país, mas que nos tornamos bastante próximas quando percebemos que temos visões semelhantes e, ao mesmo tempo, distintas no que se refere ao objeto de estudo do referido evento. Viver a academia é fazer parte de momentos como estes que foram proporcionados por este Simpósio. A participação de nossos alunos nas atividades que versaram a programação deste encontro muito nos orgulha. A FAP apresentou 4 (quatro) atividades (2 painéis e 2 comunicações orais) neste evento que possui extensão nacional.  Perceber que os nossos alunos têm vivido a academia com maturidade é uma das nossas maiores conquistas, e o nosso compromisso é incentiva-los, ainda mais, a produzirem ciência convidando-os a participarem, de maneira ativa, do mundo da pesquisa."